Limpando a sujeira de um anjo

Adao e EvaAdão e Eva (seres perfeitos) no mundo primitivo se comunicavam com Deus (não podemos afirmar em qual idioma. Um caso a pensar qual foi o primeiro idioma na Terra?) e Deus se comunicava com eles, podiam comer de toda árvore do jardim do Éden e fazer o que quisessem, menos o fruto da árvore do conhecimento, pois quando o fizessem seus olhos seriam abertos (ou seja, conheceriam o mau. Pois se eram perfeitos e a perfeição deriva da aceitação das normas Divinas então conheciam o bem em toda a sua plenitude). Conhecer o mau não significa saber a diferença entre o bem e o mau, e sim praticar as duas formas de conduta, ou seja, ter acesso ao bem e ao mau paralelamente. Por que na verdade o único que pode reconhecer a diferença em sua total inteireza e nos abrir os olhos e nos alertar a respeito de nossos pecados (prática má, prática que Deus abomina) é Deus, pois temos testemunhado nas leituras das escrituras sagrasdas. Agora, quanto ao livre arbítrio, começa a fazer sentido quando Deus nos mostra a diferença entre o bem e o mau, decidimos em quais dos dois caminhos devemos tomar em nossas vidas. Isso é feito por todos os humanos, se alimentando um pouco do bem, depois um pouco do mau, dentro do mau caminho acreditando estar no bom caminho e no bom caminho acreditando estar no mau. Deus e o diabo. Assim entendemos que quando você penaliza, tortura uma pessoa com idéias perturbadoras, como, inferno, não ter entrada no reino prometido, Deus não te ama mais, doenças enviadas por Deus pelas suas atitudes contrárias aos seus mandamentos, Deus não lhe reconhece mais como filho, pecador, blá, blá, blá, etc. Assim quem os educa desta forma está deturpando todo o sentido da palavra livre arbítrio, o qual a pessoa que tem essa palavra em sua vida detém o direito escolher suas próprias ações. Se partirmos do princípio que Deus pune as pessoas que não aceitam suas ordens, doutrinas, mandamentos, regras, leis e segue de forma contrária, receberá cruel punição por tomar tal decisão, tornamos a Deus, um Deus cruel, ou um Pai cruel. Qual pai mundano, faz isso com seu filho e onde esta o sentido do livre arbítrio nesta frase, pois acredito que como Pai nos orienta a tomar decisões acertadas em nossas vidas e se entristecendo caso nos manter no erro. Mas se formos coagidos ou pressionados, influenciados a tomar decisões em nossas vidas, o livre arbítrio deixa de existir. Se escolher o caminho errado não deveria ser punido, pois no futuro fatalmente seria punido pelos meus atos errôneos e assim pagando minha dívida pelo meu erro. Bom voltando ao assunto inicial. Nos tempos de Adão e Eva, Deus não cobrava adoração 24 horas de Adão e Eva, nem os encheu de leis, normas, procedimentos, como comer, como vestir, como falar, nem obrigações religiosas a cumprir, não matavam em nome de Deus, não excluíam as pessoas por se portarem contrárias aos seus pensamentos, condutas e dogmas, não sodomizavam mulheres, não apedrejavam por causa da lei (acho isso de uma crueldade e ignorância religiosa), etc, etc, etc, etc.

Depois que Adão e Eva (seres perfeitos) pisaram na bola, acreditando em uma cobra falante. (Queria ver o capeta nos dias atuais se transformar em uma cobra falante e tentar nos levar ao pecado. Sabemos que hoje ele usa de outras artimanhas mais quero ver uma cobra falante tentando me fazer pecar. Das duas uma, ou infartaria, ou acharia que pirei de vez, ou capturava essa cobra e levaria no programa do Faustão pra faturar um por fora).

Deus os expulsou e tudo começou a ser diferente do propósito inicial, homem se levantou contra homem, construções começaram a ser erguidas e começaram as primeiras religiões com falsos deuses, falsas doutrinas, falsos guias, falsos rituais. Acredito que a escrita ainda não tinha sido inventada.

Moisés, grande participante das leis, foi mandado por Deus a escrever os famosos 10 mandamentos, tão famoso que poucos sabem citar na inteireza, as leis perfeitas que fato lembrar que não se sabe se conseguiam cumprir na íntegra. Naqueles tempos e nos nossos tempos também. Neste ponto ou um pouco atrás os ensinamentos vindo de Deus foram deixados de lado. Os mandamentos de Deus são suportáveis, brandos e fáceis de carregar, mais o homem começou a colocar suas leis, leis sobre leis, regras sobre regras. Assim levando o homem ao seu favor, deixando os povos dentro de suas regras usando o nome de Deus e se beneficiando em seus propósitos particulares. Exemplo, cumprindo algumas das leis, não precisava ser todas, seria mais fácil manter a ordem, convívio. Outra forma de benefício, agora mais atual, doações às igrejas sem propósito, usando o nome de Deus e o dinheiro do povo para pagar viagens, horários em programas de televisão, salário exorbitantes de pastores ambiciosos e incrédulos, aumentando seus patrimônios abusando de todas as suas influências.

Voltando aos tempos antigos, foi quando Deus enviou seu filho Jesus Cristo o Messias, o qual teve como tarefa ser o divisor de águas e levar o povo de seu Pai de volta a verdadeira doutrina, a forma correta de se louvar a Deus, com amor ao próximo e amor ao Verdadeiro Deus, lembram de suas palavras, amar ao próximo como a ti mesmo e a Deus sobre todas as coisas.

Jesus fez muitos milagres em sua passagem na Terra, libertou cegos, uns de nascença outros acometidos por fatalidades da vida e nunca perguntou sobre os pecados, nem chamou a atenção da forma como levavam a vida, apenas atendeu ao pedido, nem disse que não os reconhecia ou como pecadores que estavam fora dos planos de Deus.

Atendeu ao pedido humilde do Centurião, homem acostumado com guerras, mortes, sangues derramados em suas mãos, romano de nascença, assassino, homicida, homem de estirpe malígna, o que era contrário ao povo de Deus, os judeus, e parar espanto de todos que acompanhavam Jesus além de atender ao pedido daquele homem de trazer a saúde de volta ao seu servo, disse que não viu até o momento maior fé dentre o povo Judeu (os famosos descendentes de Abrão, os quais achavam que seguiam as Leis de Deus, e se jactavam como o povo escolhido por Deus).

Jesus andou com mendigos, ladrões, prostitutas, moribundos, leprosos, cobradores de impostos, cochos, cegos, paralíticos, todos que eram excluídos e abandonados pela sociedade.

Falando em cobradores de impostos Jesus entrou na casa de Zaqueu, homem ambicioso e inescrupuloso, amante do dinheiro. A presença de Jesus em sua casa foi o suficiente para que ele se desfizesse do seu mundo material e devolvesse 4x à parte que fraudou de seus próximos.

Jesus lavou os pés de Pedro (seu próximo) e disse quem não fizer o mesmo não será tomado como meu servo, escravo.

Servo, significado, é o status legal e econômico dos camponeses no feudalismo, especialmente no âmbito do sistema econômico da “senhoria” (direitos feudais sobre a terra). Os servos são trabalhadores rurais que estão vinculados a terra, formando a classe social mais baixa da sociedade feudal. À diferença dos escravos, os servos não eram propriedade de ninguém e não podiam ser vendidos, pois não eram como escravos, que eram propriedade dos donos. Ademais do trabalho na terra, os servos executavam diversos trabalhos relacionados com agricultura, como silvicultura, transporte (por terra e por rio), artesanato e mesmo manufatura.

Escravo, significado, é a prática social em que um ser humano assume direitos de propriedade sobre outro designado por escravo, ao qual é imposta tal condição por meio da força. O dono ou comerciante pode comprar, vender, dar ou trocar por uma dívida, sem que o escravo possa exercer qualquer direito e objeção pessoal ou legal, mas isso não é regra.

A bíblia traz vários preceitos sobre escravos. Dt 23:16 proibe entregar um escravo fugitivo. Dt 23:17 proibe enganar um escravo fugitivo. Levítico 25:39 proibe utilizar um escravo hebreu em tarefas degradantes. Levítico 25:42 proibe vender um escravo hebreu em leilão. Levítico 25:43 proibe utilizar um escravo hebreu para trabalho desnecessário. Lev. 25:53 proibe que se maltrate um escravo hebreu. Êxodo 21:8 proibe a venda de escrava hebréia e proibe privações a uma escrava hebréia que se desposou. Dt. 21:14 proibe escravizar uma prisioneira depois de tê-la tomado. Êxodo 20:17 ordena: “Não cobiçarás a casa do teu próximo; não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem seu escravo, nem sua escrava”.

Acredito que quando dizem que Jesus nos comprou ou adotou para Deus Pai. Faz-me pensar quem era nosso antigo dono, ou pai. Nem preciso falar.

Muitos batem no peito e dizem que são servos ou escravos de Jesus Cristo, ou de Deus, mais nem sabem o significado real da palavra, se acreditam mesmo nisso então haja como tal, cumpra as definições citadas logo acima.

Jesus disse meu julgo é leve, também disse, hipócrita, víboras não entram e não deixa os outros entrarem. Jesus refere-se às doutrinas penosas, cheias de dogmas, leis inúteis que não levam ao Deus Verdadeiro e sim nos afastam. Seguindo essas doutrinas nunca nos sentiremos merecedores do amor Divino, sempre acharemos falhas ou algo errado aos olhos de Deus, mais se somos pecadores desde o ventre de nossa mãe por causa do pecado inicial (Adão e Eva), nunca seremos aprovado, ou seja, a lei não salva, a lei mata. Quem salva é Cristo, pois é a Verdade, o Caminho e a Salvação.

Mas, Cristo morreu e a maioria de seus ensinamentos foram deturpados pelos homens, percebemos quando lemos o Novo Testamento. A diferença de percepção religiosa são grande entre, Pedro, Paulo e Tiago. Constantino usando a religião introduziu doutrinas pagãs, doutrinas mentirosas, doutrinas que levam ao seu próprio benefício. As igrejas Católicas administraram com mãos de ferros a religião, introduzindo mais doutrinas pagãs em seus ensinamentos, desta forma conseguiam manter seus seguidores, o povo, sobre suas ordens. Hoje as formas como os homens trabalham os assuntos de Deus, usurpando o direito de salvação pelo nome de Jesus Cristo. Juntando fortunas com tributos exorbitantes, almejando serem vistos nas primeiras fileiras. Ó pobre de nós, ó Deus Pai, somos como as folhas secas sobre o vento, somos levado para um lado e para outro. Qual religião seguir, ó Pai? Em qual o teu filho fala e habita? Até quando suas coisas serão administradas por homens. Homens esses, pecadores, inescrupulosos, com más índoles. Será esse o ato estranho de Deus?

Deus nos tempos antigos, falava por anjos, por profetas, por milagres. Hoje não ouvimos mais essas coisas. Maldito o homem que acredita em outro homem. Pois serão destruídos. Amém.

Anúncios
Esse post foi publicado em Religião. Bookmark o link permanente.